sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

O famoso estudo da TSR de 4% !!! [TRADUZIDO]

Netos e netas,

Visando contribuir para a nossa comunidade, a finansfera, fiz uma tradução/adaptação/versão do paper de Willian Bengen sobre a TSR de 4%. O original pode ser encontrado nesse link que consegui nesse post do aposente aos 40.

Aproveitem e bora debater sobre o estudo nos comentários.

Bora lá


DETERMINANDO AS TAXAS DE RETIRADA USANDO DADOS HISTÓRICOS

por William P. Bengen

Abstract

Para início da aposentadoria, os consultores de investimentos fazem recomendações cruciais para clientes quanto à alocação de ativos, bem como como quantias em dinheiro que eles podem sacar com segurança anualmente, para que os clientes não vivam mais que a duração de seus recursos. Este artigo utiliza dados históricos de investimento como base racional para estas recomendações. Emprega interpretações gráficas dos dados para determinar a máxima taxa segura de retirada (como porcentagem do valor inicial da carteira), e estabelece um intervalo de alocação em renda variável (stocks) x renda fixa (bonds) para praticamente todas carteiras de aposentadoria. Por fim, fornece orientação sobre mudanças durante a "aposentadoria intermediária" no tocante a alocação de ativos e taxa de retirada.

Prólogo

O ano é 2004. Você fez um trabalho digno de crédito ao realizar planejamento financeiro pelos últimos dez anos. Seus clientes aposentados estão particularmente satisfeitos. Você demonstrou a eles a virtude de uma carteira diversificada de investimentos para proporcionar renda durante a aposentadoria. Os mercados foram gentis, se não excessivamente generosos; as carteiras de seus clientes tiveram retornos bem superiores aos dos banking savings [NT: análogo a poupança/conta corrente remunerada] e aos certificates of deposit NT: análogos aos CDBs]. Eles percebem você como tendo enriquecido suas vidas, e eles agradecem....

Estamos em 2006. Os mercados azedaram com um comando fraco do Federal Reserve que permitiu que a inflação saísse do controle. O mercado de ações despencou 35% nos últimos 2 anos, a pior perda desde a recessão de 1973-1974. Vários dos seus clientes estão alarmados, preocupados com eles terem de reduzir seus estilos de vida para preservar o capital em suas contas de aposentadoria. Você os acalma, lembrando-os que você calculou cuidadosamente suas taxas de retirada com base nas taxas médias de retorno experimentadas pelos mercados ao longo do anos, e que os mercados vão se recuperar. No entanto, você não pode deixar de sentir uma preocupação corrosiva de que algo possa ter passado despercebido por você...

Estamos em 2009. Fiel à sua previsão, o mercado de ações se recuperou bem durante últimos três anos, e a maioria das carteiras de clientes recuperou quase todos os seus valor nominal. No entanto, seus clientes têm uma nova reclamação: eles não conseguem viver com os saques que têm feito. A inflação, com média acima de 8% do últimos cinco anos, corroeu tanto seu poder de compra que eles precisam aumentar substancialmente seus saques – ou enfrentar uma qualidade de vida reduzida drasticamente. Quando você calcula o efeito desses níveis muito mais altos de retiradas sobre a carteira de seus clientes, você fica chocado: muitos clientes esgotarão seus ativos em menos de dez anos, apesar de a expectativa de vida deles se em muitos casos sua muito maior. Você tem notícias muito ruins para lhes contar. O que poderia ter dado errado?

Introdução

O cenário acima é fictício, é claro, mas poderia facilmente ter acontecido várias vezes durante este século. O falácia lógica que colocou nosso hipotético planejador em apuros foi assumir que retornos médios e inflação média são uma base sólida para calcular quanto um cliente pode retirar com segurança de um fundo de aposentadoria por um longo tempo.

Como Larry Bierwirth apontou em seu excelente artigo na edição de janeiro de 1994 desta publicação ("Investir para a aposentadoria: usando o passado para modelar o Futuro"), vale a pena olhar não apenas para as médias, mas para o que realmente aconteceu, ano a ano, aos retornos dos investimentos e à inflação no passado. Ele demonstrou que os efeitos a longo prazo da certas catástrofes financeiras, como a Depressão ou a recessão de 1973-1974, podem superar as médias. Tais "eventos" não podem ser ignorados, e o cliente deve estar ciente deles.

Neste artigo, vou me apoiar sobre o trabalho de Bierwirth, abordando-o com uma finalidade um pouco diferente. Usando o conceito de "longevidade do portfólio", vou apresentar técnicas simples que os planejadores podem usar imediatamente em seu trabalho para aconselhar os clientes o quanto eles podem retirar anualmente com segurança de suas contas de aposentadoria. Vou também explorar a questão da alocação de ativos durante a aposentadoria, incluindo algumas surpreendentes (pelo menos para mim) conclusões. Em todos os casos, confiarei no desempenho histórico real de investimentos e inflação, conforme apresentados em Ibbotson Associates' Stocks,, Bonds, Bills and Inflation: 1992 Yearbook.

As médias

Para começar, vamos ver como nosso planejador hipotético entrou em problemas. Ao fazer referência aos dados da Ibbotson (assumindo que nada mudou significativamente em 2004), nosso planejador aprendeu que a renda variável (common stocks) retornou 10,3% ao ano, e a renda fixa (intermediate-term Treasuries) retornou 5,1% a.a.. Nesse mesmo período a inflação ficou numa média anual de 3%. Portanto, um cliente com uma carteira composta de 60% RV (stocks) e 40% RF (bonds) poderia esperar um retorno médio composto de 8,2%, assumindo um rebalanceamento anual contínuo. O retorno real, ajustado pela inflação, seria quase 5,1%.

Assumindo um requisito mínimo de 30 anos de longevidade do portfólio, uma retirada de 4% no primeiro ano, seguido por saques corrigidos pela inflação em anos subsequentes, deve ser seguro

Os clientes deste planejador queriam gastar o máximo possível a cada ano de suas contas de aposentadoria, mantendo um estilo de vida consistente durante toda a aposentadoria. Dada a análise acima, parece ao planejador que os clientes podem retirar com segurança todo o "retorno real" a cada ano, ou cerca de 5%, e deixar o restante no portfólio. Os clientes poderiam assim aumentar suas retiradas a cada ano em 3%, acompanhando a inflação. Ao mesmo tempo, o valor de suas carteiras aumentaria com a inflação, satisfazendo seu objetivo secundário de deixar patrimônio para seus herdeiros.

Assim, o planejador recomendou que seus clientes retirassem 5% do valor inicial de sua carteira no final de no primeiro ano, e anualmente aumentassem as retiradas em 3%, a taxa de inflação prevista. Este plano funcionou bem por vários anos, enquanto os retornos dos investimento e a inflação ficaram próximos das médias históricas. A circunstância que perturbou o arranjo foi um "evento", consistindo em uma severa desaceleração no mercado de RV (stocks) bem como uma alta na inflação.

Que eventos semelhantes realmente ocorreram no passado?

Os eventos

A Tabela 1 lista as três maiores quedas do mercado de ações desde 1926 que ocorreram em períodos de mais de um ano. (O "crash" de 1987 não aparece, pois as ações mostraram um ganho para o ano inteiro.) Por causa do meu interesse em astronomia, eu os apelidei, respectivamente, de "Big Bang", "Ursa Maior” e o "Ursa Menor", refletindo seu impacto relativo no valor e no poder de compra das carteiras dos investidores. Esses impactos serão quantificados com mais precisão na seção abaixo sobre Os Cenários de Portfólios.


O "Big Bang" de 1973-74 foi a recessão mais devastadora porque ocorreu durante um período de alta inflação. Não apenas os investidores sofreram grandes perdas em suas carteiras, como também o poder de compra do que restou foi reduzido substancialmente. Foi um período assustador para os investidores.

A "Ursa Maior" de 1937-1941 apresentou um declínio nas ações quase tão grande quanto o "Big Bang", mas ocorreu durante um período de inflação moderada e retornos da RF (bonds) um pouco mais altos. Portanto, seu impacto nas carteiras não foi tão severo, embora ainda fosse substancial, particularmente porque ocorreu logo após a "Ursa Menor", apenas meia década depois.

A "Ursa Menor", é claro, foram os primeiros anos da Depressão. Pode soar estranho listar seu impacto como apenas o terceiro atrás dos dois eventos anteriores, dado o enorme declínio nos preços das ações que ocorreu. No entanto, como você pode ver em Tabela 1, os primeiros anos da Depressão foi um período deflacionário, então o impacto da queda nos valores das ações foi amortecido por um avanço no poder de compra do dólar, bem como retornos de títulos modestamente positivos.

Houve outros eventos de duração mais curta, como em 1946, mas os acima representam os mais significativos cataclismos financeiros dos últimos três quartos deste século. Como planejadores, nós sabemos que tais eventos provavelmente se repetirão no futuro. Mas quão prejudicial esses eventos passados afetaram o desempenho de longo prazo de uma carteira de aposentadoria?

Os Cenários de Portfólio

Nas Figuras 1 (a)-1(d), uma série de gráficos ilustra o desempenho histórico de carteiras compostas por 50% de RF (intermediate-term Treasury notes) e 50% em RV (common stocks) – uma alocação de ativos escolhida para fins de ilustração. Eu tenho quantificado a performance da carteira em termos de "longevidade do portfólio": quanto tempo o portfólio durará antes de todos os seus investimentos serem esgotados por retiradas. Esta é uma abordagem intuitiva que é fácil de explicar aos meus clientes, cujo objetivo principal é passar a aposentadoria sem esgotar seus fundos, e cujo objetivo secundário é acumular riqueza para seus herdeiros. Os próprios gráficos permitem comparações rápidas entre muitos investimentos diferentes cenários. Fiz várias suposições ao preparar esses gráficos. Esses as premissas estão detalhadas no Apêndice.

Na Figura 1(a), a primeira barra vertical à esquerda representa a carteira de um cliente que começou a se aposentar em 1º de janeiro de 1926. Ele fez uma retirada de 3% da carteira no primeiro ano, seguido por saques corrigidos pela inflação cada ano seguinte. A próxima barra representa a carteira de um cliente que iniciou aposentadoria em 1º de janeiro de 1927, e assim por diante.

Figura 1(a) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 3%

Como você pode ver no gráfico, o cliente que iniciou a aposentadoria em 1926 foi capaz de fazer saques de sua carteira desta forma por 50 anos. Na verdade, o portfólio durou muito mais do que isso. Eu escolhi arbitrariamente 50 anos como o mais longo período para mostrar nos gráficos, dado que poucos clientes desfrutam de mais de 50 anos de aposentadoria.

A Figura 1(a) (taxa de retirada de 3%) é tão emocionante quanto um corte de cabelo. Mostra que todos os clientes, independentemente do ano em que iniciaram sua aposentadoria, puderam desfrutar de pelo menos 50 anos de saques corrigidos pela inflação de seus portfólios. Os gráficos ficam mais interessantes à medida que aumentamos a porcentagem de retirada do primeiro ano. Figura 1(b), apresentando uma retirada inicial de 4%, começa a mostrar os efeitos alguns eventos financeiros. No entanto, esses os efeitos são comparativamente leves; nenhum cliente desfrutaria menos de cerca de 35 anos antes de seu dinheiro da aposentadoria acabar.

Figura 1(b) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 4%

Começando com a Figura 1(c), em um nível de 5% de retirada inicial, estes efeitos tornam-se muito mais percebidos. Clientes que começaram sua aposentadoria no final dos anos 1960 e início dos anos 1970 poderiam ter tido apenas 20 anos de fundos disponível a essas taxas de retirada – claramente não é suficiente para a sua vida na maioria dos casos!

Figura 1(c) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 5%

Na Figura 1(d), as 3 maiores eventos financeiros desde 1926, que discutimos anteriormente, são claramente identificáveis. O impacto danoso do período 1973-1974 pode ser visto atingindo as carteiras de aposentadoria cujos saques começaram muitos anos antes, uns 20 anos antes ou mais! Este é um poderoso aviso (especialmente apropriado para aposentados recentes) para não aumentar sua taxa de retirada apenas por causa de alguns bons anos no início da aposentadoria. Seu "excesso de retornos" nos primeiros anos podem ser necessários para equilibrar retornos mais fracos mais tarde.

Figura 1(d) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 6%

A "Ursa Maior" de 1937-1941 foi menos grave do que o "Big Bang" e afetou a longevidade de portfólios que começaram cerca de 9 ou 10 anos antes do evento – metade do "Big Bang". O menos significativo dos três foi a "Ursa Menor" dos anos da Depressão, que afetou longevidade de portfólio cujas retiradas começaram quatro a cinco anos antes. Isso confirma nossa observação anterior de que não é um período deflacionário como a Depressão que deve ser verdadeiramente temido, mas sim um período inflacionário que causa estragos no poder de compra bem como nos valores das carteiras.

Não incluí gráficos para valores de retirada de sete por cento ou maiores, pois são altos demais para serem praticados por  novos aposentados. Seu capital de aposentadoria seria esgotado muito rapidamente na maioria dos casos.

Tendo em conta os dados expressos nestes gráficos, como orientamos nossos clientes para tomar uma decisão inteligente sobre taxas de saque?

Estratégias e aplicações

Fica claro pela Figura 1(a) que um nível de retirada "absolutamente seguro" (na medida em que a história é um guia) é de 3 por cento, na medida em que garante que a longevidade da carteira nunca seja inferior a 50 anos (isto também é verdade para taxas de retirada de aproximadamente 3,5%.). No entanto, a maioria dos clientes consideraria tal porcentagem um nível de retiradas inaceitavelmente baixo.

É apropriado aconselhar o cliente a aceitar uma locação em RV (stocks) o mais próximo possível de 75% e, em nenhum caso, menos de 50 por cento.

Supondo um requisito mínimo de 30 anos de longevidade da carteira, uma retirada no primeiro ano de 4%, Figura 1(b), seguido de retiradas corrigidas pela inflação nos anos seguintes, deve ser seguro. Em nenhum caso passado, usando essa estratégia, uma carteira se esgotou antes de 33 anos, e na maioria dos casos levou a portfólios de 50 anos de vida ou mais. Por comparação, uma retirada de 4,25 por cento no primeiro ano poderia esgotar um portfólio em apenas 28 anos, se as condições passadas se repetirem.

Portanto, aconselho meus clientes a retirarem a uma taxa não superior a 4% durante os primeiros anos de aposentadoria, especialmente se aposentar cedo (60 anos ou mais jovem). Assumindo que eles têm uma expectativa de vida normal, eles devem viver no mínimo mais 25-30 anos. Se eles quiserem deixar alguma parte do patrimônio para seus herdeiros, eles esperam que a "vidas de portfólio" seja um pouco maior do que isso. A Figura 1(b) mostra que a taxa de 4% satisfaz este critério para todos os períodos desde 1926, incluindo os principais eventos financeiros.

E se um cliente sentir que precisa de saques maiores? Por exemplo, um cliente com uma carteira de $ 400.000 gostaria de sacar $ 24.000 no primeiro ano, então aumentá-lo com a inflação a cada ano. Esta é uma taxa de retirada de seis por cento para o primeiro ano. Mostro ao cliente a Figura 1(d) – o gráfico para retiradas de 6% – e explico os riscos de tal abordagem (suponha por enquanto que o cliente tem uma alocação  50/50 RV/RF (stock/bonds)).

Se o cliente espera viver mais 30 anos, ressalto que o gráfico mostra que em 31 cenários ele viveria mais que seus bens, e apenas 20 cenários seriam adequados para seus propósitos (como veremos mais adiante, uma alocação de ativos diferente melhoraria isso, mas ainda seria desconfortável, na minha opinião). Isso significa que ele tem menos de 40% de chance de ter sucesso com em sua aposentadoria – chances não muito boas. Se o cliente sugerir que ele pode podar seu estilo de vida para acomodar um grande evento se isso acontecer, eu me certifico de que ele saiba quão severa a poda pode exigir. Mesmo assim, pode ser tarde demais.

Além disso, ressalto que na maioria casos, mesmo que os fundos durem os 30 anos, pode haver pouco para passar aos herdeiros. Se esta é uma consideração importante para o cliente, pode levá-lo a olhar para um rebaixamento conservador, pelo menos nos primeiros anos de aposentadoria.

Alocação inicial de ativos

Observe que minhas conclusões acima foram com base na suposição de que o cliente continuamente rebalanceou uma carteira de 50% RV (common stocks) e 50% RF (Intermediate-term Treasuries). Que efeito teriam outros esquemas de alocação de ativo tem sobre esta conclusão? Será que uma maior percentagem de RV (stocks), dada a sua maior taxas de retorno, seria benéfica para o cliente?

Numa primeira olhada no problema, examine a Figura 2. Este gráfico foi criado produzindo 40 gráficos semelhantes aos das Figuras 1(a) – 1(d). Cinco possíveis alocações de ativos (0%, 25%, 50%, 75% e 100% em RV (stocks)) foram combinados com 8 percentuais de saques no primeiro ano (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 e 8 por cento). Todas as combinações desses elementos foram computados como gráficos, e a menor barra em cada gráfico representando o vida mais curta de uma carteira para cada combinação de fatores foi transferido para Figura 2. O que está representado na Figura 2, então, é um gráfico de "pior caso de longevidade de portfolio" para cada um das 40 combinações de alocação x percentual.

Figura 2 – Longevidade da carteira – Diversas alocações – Diversas taxas de retirada

Um padrão que salta da figura é que manter pouca RV (stocks) faz mais mal do que manter muita RV (stocks). As barras de "0% RV (stocks)" e "25% RV (stocks)" são consistentemente mais curtas do que as outras, confirmando o que já sabemos os retornos superiores da RV (stocks) versus RF (bonds) são essenciais para maximizar o benefício para um portfólio. Pouca RV (stocks) na carteira encurtam a vida mínima da carteira.

Talvez ainda mais importante seja a observação de que o 50/50 parece ser quase ideal para gerar a maior longevidade mínima da carteira para qualquer esquema de retirada. Isso fica particularmente evidente no grupos de retirada de 4%, 5% e 6%, que são picos como telhados nas alocações de RV (stocks) de 50%.

Isso significa que uma alocação de 50/50 é ideal para todas as situações durante a aposentadoria? De jeito nenhum. Observe na Figura 2 que para todas as porcentagens de retiradas, as barras de RV (stocks) de 50 por cento e 75 por cento estoques estão muito próximos em altura – um ano ou menos de diferença. Na perspectiva de maior longevidade mínima da carteira, isso significa que você desiste de muito pouco aumentando a RV (stocks) de 50% para 75% da carteira. Mas você ganha algo em troca?

Para responder a essa pergunta, considere Figura 3(a), que mostra a taxa de retirada de 4% aplicada a uma carteira composta por 75% de RV (stocks) e 25% de RF (bonds). Compare isso com a Figura 1(b), que também é organizada para uma taxa de retirada de 4%, mas com uma composição 50/50.

Figura 3(a) – Longevidade da carteira – 75% RV 25% RF – taxa de retirada de 4%

Figura 1(b) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 4%

Claramente, a maior ponderação em RV (stocks) na Figura 3(a) produziu alguns melhorias bastante significativas. 47 cenários em longevidade máxima de 50 anos, enquanto apenas 40 cenários atingiram essa marca no gráfico anterior. Os únicas desvantagens ocorrem no ano da carteira de 1966, que é encurtado em um ano, dos 33 aos 32 anos, e em 1969, que é reduzido de 36 anos para 34. Todos os outros cenários têm igual ou maior longevidade.

É possível que uma alocação em RV (stocks) na ordem de 75 por cento seja superior a 50 por cento de alocação para um aposentado? Antes de aceitarmos essa conclusão, vamos realizar mais uma comparação. Examine Figura 3(b), que calcula a longevidade para uma taxa de retirada de 5% com um 75/25 de alocação de RV/RF (stock/bond). Assim como no exemplo anterior, compare este gráfico com Figura 1(c), também para uma taxa de retirada de 5%, mas com uma alocação de 50/50.

Figura 3(b) – Longevidade da carteira – 75% RV 25% RF – taxa de retirada de 5%

Figura 1(c) – Longevidade da carteira – 50% RV 50% RF – taxa de retirada de 5%

Mais uma vez, as melhorias no gráfico 75/25 são bastante evidentes. O "vales" são mais estreitos, sugerindo que os danos dos eventos financeiros estão confinados a menos anos em torno de cada evento. 24 dos 51 cenários desse gráfico – quase a metade – aumentaram sua longevidade. Obviamente, o poder de recuperação da RV (stocks) está em ação aqui, recuperando-se das crises do mercado de RV (stock-market) com maior vigor do que a RF (bonds) jamais poderia fazer.

No entanto, há um preço a pagar por esta melhoria. A "Ursa Menor" da Depressão é um pouco mais profunda do que antes. Como vimos, isso foi principalmente devido a um declínio acentuado nos preços da RV (stocks) suavizada pela deflação. Como você poderia esperar, aumentar a porcentagem de RV (stocks) em uma carteira só aumenta o dano em evento como estes. Como resultado, há uma maior chance de experimentar uma aposentadoria com longevidade do portfólio quase mínima. Importante, porém, a longevidade mais curta ainda é durante a "Big Bang" (e essa longevidade não foi afetada pela maior alocação em RV (stocks)), então não violamos nosso critério de 30 anos de longevidade mínima da carteira.

Como há um trade-off em se mudar para alocações em RV (stocks) superiores a 50%, há claramente espaço para o critério do cliente. No entanto, antes de um cliente tomar sua decisão, há mais informações a serem consideradas: a riqueza adicional criada pela maior alocação em RV (stocks).

As Figuras 4(a) – 4(d) examinam o que acontece com o patrimônio de um cliente período após decorridos 20 anos, sob premissas de diferentes alocações de ativos. Enquanto seus olhos viajam da Figura 4(a), RV (stocks) de 35%, pelos 4 gráficos até a Figura 4(d), RV (stocks) de 75%, o aumento da riqueza é dramático – até quatro vezes para alguns anos. O valor médio da carteira aumenta 123% da alocação de 35% em RV para a alocação de 75% em RV. Dado que o objetivo secundário de nossos clientes é acumular riqueza para herdeiros, esta é uma consideração importante.

Figura 4(a) – Valor da carteira após 20 anos de aposentadoria – 35% RV (stocks) restante em RF (int-term treasuries)

Figura 4(b) – Valor da carteira após 20 anos de aposentadoria – 50% RV (stocks) restante em RF (int-term treasuries)

Figura 4(c) – Valor da carteira após 20 anos de aposentadoria – 65% RV (stocks) restante em RF (int-term treasuries)

Figura 4(d) – Valor da carteira após 20 anos de aposentadoria – 75% RV (stocks) restante em RF (int-term treasuries)

Organizando tudo o que foi dito, considero apropriado aconselhar o cliente a aceitar uma alocação em RV (stocks) tão próxima a 75 por cento quanto possível, e em nenhum caso inferior a 50 por cento. Alocações em RV (stocks) inferiores a 50 por cento são contraproducentes, em que eles diminuem a quantidade de riqueza acumulada, bem como reduz a mínima longevidade da carteira. Em algum lugar entre 50% e 75% de alocação em RV (stocks) será a "zona de conforto" do cliente.

Uma alocação de ativos tão alta quanto 75 por cento em RV (stocks) durante a aposentadoria parece chocar-se contra a sabedoria convencional – pelo menos a sabedoria que eu tenho ouvido. Mas os gráficos não mentem – eles contam sua história muito claramente.

O que ocorre quando aumentamos a alocação em RV (stocks) para mais de 75 por cento do portfólio? Isso também acaba sendo contraproducente. Eu fiz uma análise sobre uma série de cenários usando essa suposição e, embora a riqueza acumulada aumentasse, é compensada pela deterioração da longevidade da carteira durante a "Ursa Menor" (anos da Depressão). De fato, na maioria dos casos, a longevidade mínima durante a "Ursa Menor" cai abaixo da longevidade mínima estabelecida no gráfico de 50% (que ocorreu durante o período de 1973-74 "Big Bang"), o que é contrário ao nosso objetivo de "garantir que o dinheiro durará." Portanto, as alocações em RV (stocks) em mais de 75 por cento devem ser evitadas no início da aposentadoria.

Alocação de Ativos e Retiradas

Começamos a aposentadoria, portanto, com uma alocação entre 50 por cento e 75 por cento em RV (stocks) (analiso 75 por cento em detalhes abaixo). Nós a mantemos durante toda a aposentadoria ou a alteramos à medida que o cliente envelhece?

Minha pesquisa indica fortemente que, desde que os objetivos do cliente permaneçam os mesmos, não há necessidade de alterar os percentuais iniciais de alocação de ativos. É provável que faça mais mal do que bem, como veremos.

Consideremos primeiro o caso em que há uma mudança nos objetivos do cliente. Neste artigo, o principal objetivo do nosso cliente foi fazer o dinheiro durar por toda a aposentadoria, com um objetivo secundário de maximizar o acúmulo de riqueza para os herdeiros. O primeiro objetivo é satisfeito principalmente pela seleção da taxa de retirada inicial, embora a alocação de ativos desempenhe seu papel. O segundo objetivo é alcançado ajustando a alocação de ativos.

Considere um cliente de 92 anos, com a saúde não muito boa, que espera viver no máximo mais alguns anos. Suponha também que seus ativos de aposentadoria sejam mais do que adequados para durar por este período de tempo, mesmo se investido em produtos bancários de baixo rendimento (low-yielding bank CDs). Se sua preocupação principal mudou para deixar o máximo de riqueza para seus herdeiros, uma opção que poderia ser feita seria vender toda sua RV (stocks) e converter em títulos bancários (CDs) ou títulos do governo (Treasury bills). Então sua riqueza não seria ameaçada por um grande declínio na RV (stock market), que pode ocorrer de forma imprevisível.

Observe que como estamos assumindo que todos os ativos de aposentadoria sejam mantidos em contas de impostos diferidos (tax-deferred accounts) [NT: nos EUA há contas destinadas a aposentaria nas quais não há cobrança imposto sobre ganho de capital, o pagamento é pago na retirada dos recursos da conta, no Brasil não há esse tipo de conta, houve algo parecido para outro tributo, a CPMF, a conta investimento na qual vc poderia movimentar seus recursos com a finalidade de investir em produtos financeiros sem a cobrança da CPMF a cada movimentação, havendo cobrança apenas na entrada e na saída da conta investimento], impostos sobre ganhos de capital não são uma preocupação. Se os bens tivessem sido mantidos em conta tributável, a conclusão poderia ter sido diferente, pois a certeza de tributos substanciais devido a ganho de capital teriam de ser ponderados frente a probabilidade de um grande declínio no mercado de RV (stocks) e a perda do benefício de um step-up in basis [NT: essa eu não consegui traduzir, deve ser algum benefício na sucessão que eu desconheço] após a morte.

Voltemos agora aos clientes que estão no meio da aposentadoria (talvez 10 a 15 anos), mas ainda estão preocupados com a longevidade de sua carteira, que deve suportá-los por mais 12 a 15 anos ou mais. Para fins de análise, eu os dividi em três classes: aqueles cujos resultados de investimento foram excepcionais ("as estrelas"), aqueles que ganharam por volta do que eles esperavam ("os asteroides"), e aqueles que, em virtude de um evento ocorrido durante a aposentadoria, obtiveram maus resultados de investimento ("os buracos negros").

Os buracos negros

O grupo "buraco negro" está em uma situação muito desconfortável. Como um exemplo, o cliente que se aposentou em 1929 com $ 500.000 em um fundo de aposentadoria viu o fundo diminuir para menos de $ 200.000 no final de 1932. Embora seus saques também tenham diminuído de US$ 20.000 em 1929 para US$ 15.300 em 1932, devido à deflação, essas retiradas agora equivalem a cerca de 7,6% de sua carteira, enquanto ele começou retirando apenas 4 por cento. Nesta situação, com a RV (stocks) tendo um desempenho tão sombrio tão cedo na aposentadoria, pode ser tentador mudar todo os investimentos para RF (bonds) para salvar o que resta do capital original.

Mas isso seria precisamente a coisa errada a fazer! Digamos que em 31 de dezembro de 1932, após anos de retornos devastadores das ações, nosso cliente buraco negro solicita que nós reduzamos o percentual de RV (stocks) em sua carteira. Se eliminarmos completamente a RV (stocks), investindo apenas em RF (intermediate-term bonds), seu dinheiro se esgotará em 1946, depois de apenas mais 17 anos. Se investirmos em 25 por cento em RV (stocks), o dinheiro vai durar até 1950; 50 por cento em RV (stocks), 1957. Mas se tivéssemos deixado a alocação em RV (stocks) de 75 por cento, o cliente ainda teria US$ 1,7 milhão em 1992 (embora para manter seu estilo de vida após a inflação, ele estaria retirando 9,5% ao ano, o que sugere que o portfólio provavelmente não duraria muito além do milênio, se tanto).

Mas e se nosso cliente tivesse a audácia de exigir, em 31 de dezembro de 1932, que aumentemos a alocação de RV (stocks) para 100 por cento, e mantivesse essa alocação para o resto de sua vida? Apesar de sofrer com o "Big Bang" e com a “Ursa Maior”, em 1992, se ele ainda estivesse vivo, ele teria acumulado US$ 42 milhões em seu fundo de aposentadoria! Claro, com tudo isso de riqueza, haveria a tentação de aumentar as retiradas, reduzindo a acumulação, mas isso certamente teria sido suportável.

Essa mesma análise pode ser repetida para todos os outros clientes "buracos negros" que tiveram a infelicidade de começar suas aposentadorias em 1937, 1946, 1969, 1973, 1974 – os anos de maior e menor eventos. Esta é uma prova do enorme poder de recuperação do mercado de RV (stocks) – e da necessidade de evitar emoções ao investir. O melhor momento para investir é provável que seja logo após o pior momento para investir!

É certo que aumentar a alocação em RV (stocks) para 100% após um longo período de retornos miseráveis requer previsão e coragem incomuns por parte do consultor, bem como do cliente. Se você puder convencer seu cliente apenas a manter os 75 por cento de alocação sob tais condições, você ganhou uma grande batalha. No entanto, o cliente ainda se depara com uma longevidade da carteira inferior à média, e com muito menos riqueza para passar aos herdeiros do que inicialmente se esperava.

Aumentar a alocação em RV (stocks) para 100 por cento após um longo período de retornos miseráveis exige previsão e coragem incomuns por parte do consultor, bem como do cliente.

No entanto, o cliente tem outra opção para melhorar a situação de longo prazo, e isso é reduzir – mesmo que temporariamente – seu nível de retiradas. Se o cliente puder gerenciá-lo sem muita dor, esta pode ser a melhor solução, pois não depende da inconstância do desempenho dos mercados, mas em fatores que o cliente controla completamente: seus gastos.

Como exemplo, voltemos ao aposentado de 1929. No final de 1930, como ele está prestes a fazer sua segunda retirada anual, o mercado já caiu cerca de 30% desde o final de 1928, e parece haver mais problemas pela frente. Se ele reduzir sua retirada de 1930 em apenas 5% e continuar a retirar nesse nível reduzido durante a aposentadoria, em 1949 ele terá 20% mais riqueza do que da outra forma, podendo passar para seus herdeiros. Após 30 anos, a riqueza é 25% maior, e o benefício continua a crescer ao longo do tempo. Isso pressupõe que ele continua a manter a alocação de ações de 75 por cento durante a aposentadoria.

Assim, o cliente "buraco negro" tem pelo menos duas alternativas para melhorar a longevidade de seu portfólio, com um número infinito de permutações dos dois possíveis. A única alternativa que ele não pode sustentar, e que nós como conselheiros devemos trabalhar arduamente para dissuadi-lo de fazer, é fugir da mercado de RV (stock market) e se refugiar na RF (bonds).

As estrelas

Na outra extremidade do espectro estão as "estrelas", os clientes sortudos que começaram a se aposentar em um período de boom no mercado de RV (stock market); por exemplo, 1949, a década de 1950, 1975-1976 e até 1982. O problema deles é exatamente o oposto do dos clientes "buracos negros"; seus recursos cresceram muito rapidamente no início da aposentadoria, e eles são tentados a fazer duas coisas: aumentar seus saques e aumentar sua alocação no mercado de RV (stock market). Ambos podem ser prejudiciais à aposentadoria.

Considere uma de suas clientes que se aposentou em 1958, novamente com $ 500.000, e que segue o seu conselho para retirar 4 por cento anualmente, reajustando os saques pela inflação a cada ano. Ao longo dos 10 anos de 1958-1967, o mercado de ações retornou 12,9% ao ano composto, enquanto a inflação aumentou apenas míseros 1,8% ao ano. Estes são ambos muito melhor do que as médias de longo prazo.

Apesar de suas retiradas, a cliente tem mais de US$ 1 milhão em seu fundo de aposentadoria e percebe que está sacando a uma taxa de apenas 2,3%. ao ano. Sobre suas objeções extenuantes, ela aumenta suas retiradas para US$ 40.000 por ano, quase 4% do valor de sua carteira.

O que acontece nos próximos anos a choca completamente. Depois de um 1969 ruim, seu portfólio é ainda mais atingido pelo "Big Bang" de 1973-1974. Seu fundo diminui para US$ 777.000 no final de 1974. Pior ainda, a alta inflação reduziu seu poder de compra para menos de $ 500.000, em comparação com os $ 1.040.000 que ela tinha no final de 1967 – menos da metade do seu valor. E o mais assustador de tudo, ela está retirando à razão de 8 por cento ao ano!

O pânico pode tomar conta de tal investidora, levando-a a procurar medidas drásticas. Não querendo diminuir seu estilo de vida (ao qual ela se acostumou nos últimos seis anos) ela pode instruí-lo agora a reduzir o percentual de RV em sua carteira, talvez para zero –  precisamente no momento errado. Soa familiar? Sim, a "estrela" é agora uma "estrela caída" e foi convertida em um "buraco negro".

Os remédios para o cliente são os mesmos que foram para o cliente "buraco negro" –  pode ficar no curso e esperar um recuperação dramática na RV (stocks) (que nós sabemos que ocorreu); reduzir as retiradas; ou, mais dramaticamente, considere aumentar a alocação de ações para 100 por cento do portfólio. Você pode imaginar o quanto de riqueza teria sido acumulada para um investidor que tivesse uma carteira de ações de 100% em 1º de janeiro de 1975, e a mantivesse até o final de 1993? Mesmo depois das retiradas, que começavam em quatro por cento, ela teria aumentado sua riqueza por sete vezes!

Assim, os clientes "estrelas" são aqueles que devem ser aconselhados a abster-se de fazer quaisquer mudanças radicais em sua alocação de ativos ou padrão de retirada. Algum aumento nas retiradas é provavelmente inevitável, mas precisa não ser fatal para o plano de aposentadoria, se forem moderados. Eles devem entender que os retornos excedentes obtidos hoje provavelmente serão necessários para compensar as perdas no futuro. Eles desfrutaram de boa sorte, e nada mais. Boa sorte é muito raro e precioso para ser desperdiçado.

Os asteroides

Os clientes "asteroides" são aqueles que, depois de dez anos, conseguiram quase o que eles esperavam dos mercados em relação ao retorno do investimento e à inflação. Eles são representados por aqueles que se aposentaram nos anos 1942-1946, ou 1959-1960. Como suas expectativas foram atendidas, é improvável que eles queiram fazer quaisquer alterações importantes em suas carteiras em relação à alocação ou retirada de ativos. E isso é quase certo a melhor estratégia.

Como o mercado de RV (stock market) é um lugar aleatório, é impossível prever se os clientes “asteroides” experimentarão melhor ou pior sorte durante a segunda década. Quem se aposentou nos anos 40 teve uma segunda década maravilhosa; aqueles que se aposentaram em 1959-1960 teve uma segunda década miserável. Felizmente, seus inícios decentes na primeira década deram uma gordura, caso precisem. Eles podem enfrentar um período como o "Big Bang" sem ter que reduzir retiradas ou alterações de alocações. E após o "Big Bang" eles terão uma oportunidade de acelerar o crescimento de sua riqueza usando a estratégia de 100% em RV (all-stock) que discutimos acima.

Conclusão

Para um cliente que está começando a se aposentar, determine primeiro a taxa “segura” de retirada. Faça isso calculando a menor duração da carteira aceitável pelo cliente (geralmente a expectativa de vida do cliente mais 5 ou 10 anos, dependendo do conservadorismo do cliente). A seguir, usando os gráficos para uma alocação 50/50 de RV/RF (stock/bonds), determine a taxa de retirada mais alta que satisfaça a mínima duração desejada do portfólio. Para um cliente de 60 a 65 anos, geralmente será de cerca de 4 por cento.

O valor da retirada para o primeiro ano (calculado como a porcentagem de retirada vezes o valor inicial da carteira), será ajustado para cima ou para baixo pela inflação a cada ano seguinte. Após o primeiro ano, a taxa de saque não é mais usada para calcular o valor da retirada; ela será calculada em cima da retirada do ano passado mais um fator de inflação.

Se um cliente desejar níveis mais elevados de retiradas iniciais, ele ou ela deve ser informado dos riscos, usando gráficos semelhantes aos da Figura 1. Você deve fazer tudo o que puder para dissuadir o cliente de ser muito "brincalhão" com os gastos no início aposentadoria. Uma taxa inicial de retirada de cinco por cento é arriscada; seis por cento ou mais é "cassino".

Apesar do conselho que você pode ter ouvido o contrário, o registro histórico suporta uma alocação entre 50% e 75% em RV (stocks) como a melhor alocação inicial para um cliente. Para maioria dos clientes, isso pode ser mantido durante a aposentadoria, ou até suas metas de investimento mudarem. Alocações em RV (stocks) abaixo de 50% e acima de 75% são contraproducentes.

Clientes muito conservadores podem ter dificuldade em aceitar uma alocação em RV (stocks) de 75%. Usando os gráficos, você pode revisar com eles a diferença de desempenho entre uma alocação RV (stocks) de 50% e uma alocação de 75%, e deixá-los fazer a escolha. A característica negativa de uma alocação em RV (stocks) mais alta é a longevidade reduzida do portfólio como resultado de um evento semelhante à Depressão. Um ponto positivo importante é o aumento da riqueza que irá acumular na maioria dos outros cenários. Eu acredito que o equilíbrio está inclinado a favor da alocação mais alta – mas a escolha é do cliente.

No que diz respeito ao andamento dos investimento, os clientes aposentados se enquadram em três grupos. Clientes "estrelas" ganham altos retornos por longos períodos no início de suas aposentadorias, então eles geram riqueza muito mais rápido do que o esperado. Eles devem ser aconselhado a não aumentar excessivamente as retiradas e nem a ser muito agressivo com sua alocação de ativos. Clientes "buraco negro" experimentam um grande evento financeiro no início de suas aposentadorias, e podem se tornar muito conservadores. Eles devem ser aconselhados a manter sua alocação de ativos e reduzir ligeiramente as retiradas por um período de tempo. Os clientes mais corajosos dessa categoria devem considerar aumentar sua alocação em RV (stocks) para até 100 por cento para o resto de sua aposentadoria.

Finalmente, os clientes "asteroides", que obtiveram resultados médios em seus primeiros dez anos de aposentadoria, provavelmente não solicitará, e não deverá ser recomendado, uma mudança na alocação de ativos ou na estratégia de retirada. A experiência de sua segunda década pode ser diferentes, e o planejador pode formular suas recomendações em conformidade, neste momento.

Epílogo

O ano é 2014. Um forte Conselho do Federal Reserve, sob nova liderança, controlou a inflação e o mercados têm desfrutado de um boom de vários anos. A fortuna de seus antigos clientes foi restaurada e eles estão desfrutando de sua aposentadoria mais uma vez. Você solta um suspiro mental de alívio, porque o resultado poderia ter sido muito diferente.

Você tem planejado para os novos clientes usando os métodos descritos acima, e é muito reconfortante saber que independentemente do que possa vir no futuro, seus clientes sobreviverão; suas aposentadorias não dependem do Fed ou da taxa de juros ou das vicissitudes dos mercados. Você os preparou para sobreviver ao pior que já ocorreu, e se as circunstâncias forem melhores do que isso, eles vão prosperar.

Afinal, não é para isso que eles te contrataram? E não é isso que você deseja para eles?

Referências

1. Less Antman, "First, Let's Kill All the Asset Allocators," Managing Your Money Better, primavera de 1994, pp. 6-8, (MECA Software, Inc., Fairfield, Conn.).

2. Larry Bierwirth, "Investing for Retirement: Using the Past to Model the Future," Journal of Financial Planning, Janeiro de 1994, pp. 14-24.

3. IbbotsonAssociates, "Stock, Bonds, Bills and Inflation: 1992 Yearbook" (Chicago: Ibbotson Associates, 1993).

WILLIAM P. BENGEN, CFP, M.S., é um profissional solo em El Cajon, Califórnia, especializada em gestão de investimentos. Ele recebeu um diploma de bacharel em ciências do Massachusetts Institute of Technology em engenharia aeronáutica, então juntou-se à sua empresa familiar de franquia de refrigerantes na região metropolitana de Nova York. Após 17 anos na empresa, durante os quais atuou como presidente e COO, o negócio foi vendido. Ele e sua família se mudaram para o sul da Califórnia, onde ele começou seu trabalho com planejamento financeiro prática, obtendo seu mestrado em planejamento financeiro em 1993.

2 comentários:

  1. Uau... nunca tinha lido.... Muito obrigada por disponibilizar esse material!!!

    ResponderExcluir